CABEÇALHO-Pintura oferecida à Escola Secundária Augusto Cabrita, pelo pintor do Barreiro Kira, em homenagem ao seu amigo Augusto Cabrita.

segunda-feira, 16 de julho de 2018


LIVROS PARA LER AO SOL …

OU À SOMBRA

 Sugestões para férias


                                       

quarta-feira, 26 de junho de 2013

LENDAS PARA OS MAIS PEQUENOS

Com as as férias a chegar que tal ler um livro para as ferias bem passar!!!


A Lenda do Viajante Que Não Podia Parar Concha López Narváez, NARVAEZ, CONCHA LOPEZ

Um estranho acontecimento transforma o débil Kostia num jovem vigoroso e forte como uma árvore. Mas a sua sorte tem um preço e por isso nunca poderá permanecer mais de três dias com as pessoas que encontra no caminho. Queres saber porquê?




Fábulas de Esopo António Mota

Esopo, incontornável contador de fábulas, vê aqui a sua obra recontada pela linguagem viva e actual de António Mota. Um livro com trezentas fábulas, imprescindível em qualquer biblioteca.


Ricardo Filipe

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Bons Livros para bons leitores!


A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak

Sugere-se este livro às pessoas que se interessam pelo passado e pelos acontecimentos mundiais.
Aqui fica a sinopse para futuros leitores atrair e o gosto pela leitura seguir...
 
Quando a morte nos conta uma história temos todo o interesse em escutá-la. Assumindo o papel de narrador em A Rapariga Que Roubava Livros, vamos ao seu encontro na Alemanha, por ocasião da segunda guerra mundial, onde ela tem uma função muito activa na recolha de almas vítimas do conflito. E é por esta altura que se cruza pela segunda vez com Liesel, uma menina de nove anos de idade, entregue para adopção, que já tinha passado pelos olhos da morte no funeral do seu pequeno irmão. Foi aí que Liesel roubou o seu primeiro livro, o primeiro de muitos pelos quais se apaixonará e que a ajudarão a superar as dificuldades da vida, dando um sentido à sua existência. Quando o roubou, ainda não sabia ler, será com a ajuda do seu pai, um perfeito intérprete de acordeão que passará a saber percorrer o caminho das letras, exorcizando fantasmas do passado. Ao longo dos anos, Liesel continuará a dedicar-se à prática de roubar livros e a encontrar-se com a morte, que irá sempre utilizar um registo pouco sentimental embora humano e poético, atraindo a atenção de quem a lê para cada frase, cada sentido, cada palavra. Um livro soberbo que prima pela originalidade e que nos devolve um outro olhar sobre os dias da guerra no coração da Alemanha e acima de tudo pelo amor à literatura.

Na Casa do Rei Dragão de Stephen Lawhead
 
Sugere-se este livro para quem gosta de livros de ação, aventura e ficção científica.
 
Um guerreiro mortalmente ferido caíra desfalecido no pórtico do templo onde Quentin servia como acólito do deus Ariel. Agora, o jovem Quentin tinha de fazer a sua escolha: entre uma vida tranquila e confortável e um caminho desconhecido carregado de perigos. Em companhia de um punhado de amigos leais, Quentin parte para uma aventura que irá mudar o seu destino e arrastá-lo para um conflito mortal com Jasper, o usurpador, e o sinistro necromante Nimrood.
                                                                                                                   Ricardo Filipe

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Quais os títulos para estas fotografias?


No ano em que se celebram os noventa anos do nascimento de Augusto Cabrita, o agora patrono deste Agrupamento, e se assinalam vinte anos da sua morte, lançamos a todos alunos dos vários níveis de ensino deste agrupamento, um desafio que consiste na atribuição de títulos às fotografias de Augusto Cabrita, seguidamente indicadas.



1

2

3



4
         5


6
Escreve, no espaço destinado aos comentários, o número e o título correspondente a cada fotografia, identificando a escola, o nome, o ano e a turma. Os premiados serão divulgados neste blogue.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Comemoração do aniversário de Augusto Cabrita



Como o dia 16 de março, aniversário do patrono do Agrupamento, este ano aconteceu num sábado, a equipa da biblioteca da ESAC resolveu antecipar as comemorações na Escola Secundária Augusto Cabrita e desenvolveu atividades lúdico-pedagógicas, no dia 14 de abril, com três turmas: 8º E, 10º F e 11º B. Nesse dia realizou-se uma espécie de peddy paper que envolveu pesquisa na biblioteca, a partir dos quadros e textos,  para dar a conhecer a  vida e obra do "Mestre" e ao mesmo tempo desenvolver nos alunos o gosto pela fotografia.

Para além desta iniciativa a  Biblioteca Escolar desenvolveu em colaboração com a professora de Língua Portuguesa do 8º E, Lina Soares,  o concurso "As palavras do Olhar": os alunos escreveram textos, em prosa ou poesia, a partir de fotografias de autoria de Augusto Cabrita, expostas na Biblioteca. 

Parabéns ao premiado!


A maré estava vazia
não havia pescadores,
ninguém imaginaria
que ali houve muitos amores.

Os barcos estavam parados
só um estava a andar
em terra atracados
e ninguém ali a brincar.

No chão só havia lama
a água estava sumida
só mesmo quem aquilo ama
é que passa ali a vida.

Havia um barco a ir para Lisboa
as ondas estavam agitadas
nenhum pássaro por ali voa
e as redes estavam amanhadas.
                                   
                     Luís dos Santos

O que achas do poema? Não te esqueças de dar a tua opinião!